Publicado em 19 de ago de 2018 por Mayara Armstrong

O segundo dia (18/08) do 46º Festival de Cinema de Gramado, começou cedo. Já às 9h da manhã, o público pode conferir a reprise do segundo filme exibido oficialmente para a amostra competitiva no Palácio dos Festivais, A Voz do Silêncio, de André Ristum. A sessão foi aberta ao público, exibida de forma gratuíta no Teatro Elisabeth Rosenfeld, localizado na Câmara de Vereadores de Gramado. Assim como todo o evento, o local havia acessibilidade – porém essa de forma muito básica –, haviam poucas rampas, mas a sessão foi exibida com legenda descritiva.

Logo após, nos encaminhamos para o hotel, para as Coletivas de Imprensa Exclusivas* dos filmes exibidos na noite anterior. O primeiro filme a ser debatido foi O Grande Circo Místico, com a presença do diretor do filme Cacá Diegues, a produtora Renata Almeida Magalhães, e os atores: Jesuíta Barbosa; Bruna Linzmeyer; Mariana Ximenes e Marcos Frota.

O segundo filme a ser debatido na Coletiva foi o longa A Voz do Silêncio, de André Ristum. O debate contou com a presença do diretor da distribuidora Imovison, do diretor do filme André Ristum, e dos atores: Marieta Severo; Stephanie de Jongh; Arlindo Lopes; Claudio Jaborandy; Ricardo Merkin e Nicola Siri.

*Cada coletiva de imprensa terá uma matéria a parte exclusiva com as entrevistas.

Marieta Severo e Stephanie de Jongh na Coletiva de Impresa do filme A Voz do Silêncio. Foto por: Kauana Amine.

Mais a noite, no Palácio dos Festivais, presenciamos a exibição de um curta metragem brasileiro, Um Filme de Baixo Orçamento, do professor Paulo LeiererPaulo é orientador no Curso de Roteiro Online da Academia Internacional de Cinema (AIC). O curta tem treze (13) minutos, e perpassa a questão que o próprio nome nos trás, fazer ‘um filme de baixo orçamento’ e todas as implicações diretas e indiretas de não conseguir – ou querer – investir em profissionais da área, tudo isso com um toque de profissionalismo e muito bom humor.

Depois foi a vez do longa metragem estrangeiro, Las Herderas, de Marcelo Martinessi. Um filme de drama paraguaio com um enredo simples, conta a história de duas herdeiras de uma família muito rica, que, previsivelmente, acaba falindo quando ambas estão pairando seus trinta anos.

O grande homenageado da noite foi Carlos Saldanha. O diretor recebeu o Troféu Eduardo Abelin, uma homenagem direcionada para diretores ou cineastas. Antes de Saldanha subir ao palco, recebeu outra breve homenagem, esta em forma de sátira, com exibição de diversos desenhos antigos que gostariam de ser mais reconhecidos pelo público. Alguns do personagens dos desenhos – como por exemplo Rocky e Hudson – faziam apelos engraçados para fazer parte das produções do diretor. Otto Guerra – outra referência no quesito animação e também homenageado com o mesmo prêmio – foi quem entregou em mãos o troféu para Saldanha. Ao receber o prêmio – estatueta em forma de claquete –, houve os agradecimentos.

Carlos Saldanha e Otto Guerra. Foto Por: Evandro Ritzel.

Ovacionado pelo público presente, o diretor ressaltou o quanto estava honrado em receber uma homenagem tão grande no Brasil, por praticamente toda sua carreira ser internacional. Além de destacar as lembranças que os filmes proporcionam. Em suas próprias palavras: “(…) A gente faz os filmes pensando nesses momentos, nas lembranças, nas boas memorias, nas mensagens que a gente consegue passar” e cita exemplos:

“(…) ver as crianças crescendo com A Era do Gelo e, agora adultos, assistirem a O Touro Ferdinando

E a noite seguiu com Guaxuma. Antes da exibição do filme, a diretora, Nara Normande, subiu ao palco para fazer pontuações sobre o longa. Nara mostrou a que veio, abrindo sua fala com uma posição politica bem definida: “Primeiramente, Fora Temer”. Além de destacar a grande duração da produção do filme, pois o mesmo foi feito inteiramente em areia, sem nenhum tipo de computação gráfica. Nara encerrou sua fala com um “Lula Livre”, fazendo referência novamente ao seu posicionamento político-social. Logo após houve a exibição do curta-metragem Brasileiro, com duração de 14 minutos.

Depois de Guaxuma, o diretor Gustavo Pizzi, produção e elenco do filme Benzinho subiram ao palco para pontuar um pouco sobre o próximo filme a ser exibido na amostra competitiva. Antes da exibição do longa, Pizzi ressaltou em poucas palavras o quanto é bom estar fazendo parte do Festival de Gramado, um evento tão reconhecido nacionalmente. A produtora Tatiana revelou para os presentes o quanto toda equipe estava ansiosa a noite e a participação no Festival, pois, além de toda magnitude do evento, foi a primeira vez que Benzinho foi exibido no Brasil, depois de passar seis (06) meses sendo exibidos em festivais internacionais.

Elenco e produção técnica do filme Benzinho. Foto por: Evandro Ritzel.

Logo após, a atriz principal do longa, Karina Teles – intérprete da personagem irene –, revelou ser a segunda vez que ela e o diretor Gustavo apresentavam um filme em Gramado. A primeira vez foi quanto ela havia acabado de ter os meninos, e a segunda vez agora, quando eles estão com aproximadamente sete (07) anos. Ambos os filhos de Karina fazem parte, também, do longa, os gêmeos Francisco e Arthur. A atriz complementou as falas anteriores apresentando sua visão sobre o filme:

“(…) O que eu queria dizer é que vocês vão ver a Irene. Ela é uma mulher como protagonista e não como objeto de um filme. Eu acho isso revolucionário. Eu acho que a gente precisa dar voz a outras histórias no nosso cinema, a gente precisa dar outros espaços para as mulher, para a comunidade Queer, para os negros, a gente precisa abrir os olhos, abrir o coração e olhar em volta, porque é só assim que a gente consegue mudar junto com o mundo, e o mundo esta mudando em uma velocidade absurda, e assim como a família protagonista do nosso filme, a gente tem duas opções: Ou a gente finca o pé, e diz não mudo de opinião, é isso que eu penso, não quero ouvir vocês. Ou a gente abre o coração, a gente se esforça para entender e mudar junto com o mundo. A gente precisa de empatia e amor, e o Benzinho é isso

Após a exibição do filme, a segunda noite do evento foi oficialmente encerrada.

Comentários

Este artigo não possui comentários

”Mulher