Publicado em 09 de fev de 2017 por Mayara Armstrong

Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures) estreiou recentemente nos cinemas, o filme que retrata a luta contra a segregação racial destacando três mulheres negras que quebram estereótipos de raça e genêro. Desde sua estreia, o filme vem quebrando recordes de bilheterias, além, é claro, de dar enfase a uma grande critíca social e abrir a possibilidade de indagação: Por que nunca ouvimos falar dessas três incriveis mulheres antes? Por que, aparentemente – e propositalmente –, elas foram deixadas de lado nos livros de história?

O filme retrata a história de Katherine Goble Johnson, Dorothy Vaughan e Mary Jackson, e como essas mulheres negras foram fundamentais para as missões da NASA. Além do foco nessas três mulheres, o filme acaba por enaltecer, de um certa forma, homens brancos que, aparentemente, as ajudaram ao longo do caminho.

Da esquerda para a direita: Katherine G. Johnson (interpretada por Taraji P. Henson), Mary Jackson (interpretada por Janelle Monáe), Dorothy Vaughan (interpretada por Octavia Spencer).

Uma das dificuldades delas, e mais retratado no filme da Katherine (interpretada por Taraji P Henson), é ter que perder 40 minutos toda vez que ela quisesse ir no banheiro, já que Khatherine não havia permissão para usar os banheiros do prédio em que a mesma trabalhava – Katherine apenas tinha permissão para usar os banheiros especificos para “pessoas de cor”.

Em uma cena em especifico, Katherine passa 40 minutos correndo na chuva para ir ao “seu banheiro” em outro prédio do campus. Quando ela retorna, seu supervisor – homem branco – interpretado por Kevin Costner, a indaga por estar ausente muitas vezes, Katherine desabafa a situação, que dificulta o desenvolvimento de seu trabalho mas não a impede de realiza-lo, na frente de todos. O que nos leva ao grande ponto: Seu supervisor acaba por ‘tomar suas dores’ e destruir a placa “Colored Ladies Room” do banheiro, além de dar um discurso tocante, finalizando com:

“(…) Não mais banheiros para pessoas de cor. Não mais banheiros para brancos… Aqui na NASA, todos fazemos xixi da mesma cor

O grande ponto é a interpretação dessa cena, muitos a consideraram como uma das melhores cenas do filme, porém, esse momento na realidade nunca aconteceu. A cena do momento “herói-do-homem-branco” é ficcionada. Na vida real, Katherine diz que ela simplesmente desafiou a lei e usou o banheiro “Whites Only“. O livro em que o filme se baseia afirma claramente que Katherine “se recusou tanto a entrar nos ‘Banheiros para Pessoas de Cor’“. O que deixaria ainda mais nítido, se retratado como deveria, a força, garra e insubmissão de Katherine.

Sabemos que não é incomum acontecimentos assim, porém, não deixa de ser intrigante e questionável o objetivo de ter ficcionado uma cena dessas, já que é nítido a representação da cena e, muito provavelmente, a desvalorização das atitudes da protagonista. Em uma entrevista com o Vice News, o diretor Theodore Melfi foi questionado o motivo de ele ter sentido a necessidade de adicionar a cena. O entrevistador indagou:

“Eu então perguntei ao diretor do filme, Theodore Melfi, por que ele tinha escolhido incluir uma cena que nunca aconteceu, e se ele achava que retratar Katherine como sendo salvo por um homem benevolente branco diminuiu o que ela fez na vida real.

Ele disse que não viu um problema com a adição de um herói branco na história

A resposta do diretor foi um tanto quanto questionável. Melfi aparentemente desconsiderou a importância da representatividade e do lugar de fala, afirmando:

“É preciso haver pessoas brancas que façam a coisa certa, é preciso que haja gente negra que faça a coisa certa. (…) E alguém faz a coisa certa. E quem se importa com quem faz a coisa certa, desde que a coisa certa seja alcançada?

Sem dúvida, as mulheres de Estrelas Além do Tempo encontraram pessoas brancas que não foram condizentes com as práticas sociais impostas. A pergunta que fica é: Houve necessidade de ter ficcionado uma cena, que, muito provavelmente, terá uma interpretação contraria do intuito do filme?

Quais suas opiniões?

Comentários

Este artigo não possui comentários

”Mulher