Publicado em 13 de mar de 2017 por Matheus Meira

Em 10 de Março de 2017, a mexicana Dulce Maria lançou seu terceiro álbum de estúdio intitulado: DM (iniciais de seu nome). Finalizado em agosto de 2016, o álbum tinha inicialmente a intenção de ser lançado ainda no seu ano de gravação, mas foi adiado para 2017 pela gravadora.

O ‘DM’ possui treze faixas e é um álbum em sua essência pop, Latin pop e R&B. Dulce compôs a maioria das músicas ao lado de Julio Reyes, Angélica Jiménez, Andre Torres e  Paolo Tondo. O álbum tem produção do Andrés Saavedra, ganhador de dois Grammy Latino e Ettore Grenci, indicado ao Grammy Latino por sua produção no álbum do cantor mexicano Reik.

Dulce Maria saiu da bolha ‘Ex-RBD’ com esse novo trabalho musical. Um disco mais maduro e com letras fortes. Vamos acompanhar faixa a faixa:

“Hoy te entierro” abre o disco, a música começa com um ritmo pop e se mantém, na letra podemos ver versos como: “Hoje eu vou direto ao cemitério / “Me vesti muito sexy como você gostava, de preto” / “Você precisa morrer pra mim” / “É seu funeral como eu vou chorar, mas a felicidade”. É uma letra bem interessante do disco, se destaca por suas referências ao fim de um relacionamento com a morte. Ótima composição. É a canção mais comercial do CD, e deveria ser sigle.

Nota: 10/10

 

“Sin Ti Yo Estoy Muy Bien” poderia ser uma boa balada do álbum, mas se perde na produção e tem uma letra ‘mais do mesmo’ que acaba se tornando muito repetitiva, poderia ficar facilmente fora do álbum.

Nota: 5/10

 

“Um Minuto Sin Dolor” é a música que vai atingir um público mais jovem, na letra ela pede: “Me dê um minuto sem dor” / “Eu sei que não existo nos seus planos, não precisa esconder”. O refrão é bem ‘chiclete’ e fica facilmente na cabeça.

Nota: 8/10

 

“Presentimiento”: vem com refrão explosivo e faz juz ao momento em que e a letra da música pede, é a primeira música que coloca o vocal da Dulce em evidência e ela conduziu muito bem. A canção não é um ritmo inédito da mexicana e deixa-a em sua zona de conforto.

Nota: 8/10

 

“Invencible”: é uma das canções produzidas por Ettore Grenci (Indicado ao Grammy Latino) e a expectativa por essa faixa logo se torna alta, o produtor entrega um ótimo trabalho. A letra da música trás versos de auto-afirmação como: “Trave-me, eu sei como escapar” / “É simples, eu sou invencível”.

Nota: 9/10

 

Tal Vez En Roma”: a sexta faixa do disco se tornou a maior surpresa positiva dentre todas as faixas. Na letra da música Dulce relata um relacionamento à distância e citam alguns lugares do mundo onde o casal poderia se encontrar. A surpresa maior vem pela referência ao country americano depois do refrão. Certamente essa é uma canção perfeita para trilha sonora de qualquer filme romântico/aventura.

Nota: 10/10

Cicatrices”: possui uma boa introdução, mas se perde no refrão explosivo, assim como a segunda canção do álbum. A letra da música fala sobre o fim de seu relacionamento, e que o rapaz se tornou mais uma cicatriz em sua vida. A produção da faixa não surpreende em nada e não trás nada de novo pro álbum.

Nota: 6/10

 

“Al Otro Lado De La Lluvia”: possui uma boa introdução e uns ótimos vocais, que acabou resultando em outro bom momento do disco. A canção começa mais intimista e não cresce tanto no refrão, o que torna ela ainda melhor e segue o nível alto de algumas canções do álbum.

Nota: 9/10

 

“Rompecorazones”: a famosa balada romântica, um dos pontos altos das músicas latinas, que funcionaria muito bem como single. Nessa canção a Dulce prova mais uma vez seu grande talento como compositora e é onde o seu vocal está melhor dentre as outras faixas. Um grande ganho para a qualidade do álbum.

Nota: 10/10

 

Volvamos” (feat. Joey Montana): Dulce Maria se joga no reggaeton de Joey Montana, e sai da zona de conforto e trás ousadia pro álbum com uma música mais sexy, mas é a faixa que mais destoa de tudo o que ela vem mostrando. É onde o pop latino se mostra mais presente no álbum. A produção pecou ao editar muito a voz dos cantores, apesar de ser uma faixa comercial, ela destoa das outras e pode causar uma desarmonia.

Nota: 7/10

 

“Despídete”: outro grande destaque, uma linda balada com um conteúdo lírico melancólico e encantador. É a canção que a Dulce mais entrega seus sentimentos, ela sofre cantando a letra marcante, o instrumental simples deixa em evidência seu vocal e se encaixou muito bem na música, ficaria melhor se fosse apenas voz e piano, mas nada que perca o encanto e entrega na música.

Nota: 9/10
“No sé llorar”: o lead sigle do álbum, não diria que foi uma boa escolha visto que se tem outras músicas mais comerciais para um lançamento. A música é um melodrama de Dulce, onde ela deixa claro na letra uma maturidade pouco vista em seus álbuns anteriores. “Se queria me deixar alguma cicatriz” / “É preciso mais do que um homem como você”, diz em um trecho da música. Essa canção é essencial pro álbum, pois mantém coerente e mostra a maturidade da cantora.

Nota: 8/10

 

“Dejarte de amar”: Inicialmente a música era apenas para a novela ‘’Corazón Que Miente’’ (na qual Dulce interpretou a vilã), porém mais tarde confirmou que seria faixa bônus do seu terceiro álbum e foi um grande acerto pro álbum, essa canção tem produção de Andrés Saavedra, que é reconhecido pelo Grammy Latino, não poderia ser uma faixa descartável e se encaixa muito bem para trilha sonora. A música encerra o trabalho com muita qualidade e letra muito bem escrita por Dulce Maria, Paolo Tondo e Luis Alfredo Salaza.

Nota: 10/10

 

No geral, “DM” é o trabalho mais maduro e de mais qualidade de Dulce Maria, ela entendeu que não se deu muito bem investindo em outros ritmos como foi em seu último álbum, Sin Fronteras e não se manteve na sua zona de conforto com seu novo trabalho. A canção “Tal Vez Em Roma” é a prova perfeita de saber ser ousada sem se sentir desconfortável. O disco tem uma produção impecável, as composições são de estrema qualidade, é difícil encontrar uma canção com uma letra ‘rasa’, apesar de ter “Sin Ti Yo Estoy Muy Bien” que é uma canção muito simples para a qualidade do CD. O álbum é muito coeso e se mantém em uma mesma linha, isso é muito positivo pra crítica.

 

Acredito que Dulce vá conseguir sua primeira indicação ao Grammy Latino com esse disco, se a academia levar em consideração suas qualidades de maior grandeza que seus pequenos defeitos. “DM” veio pra mostrar que Dulce Maria merece seu respeito no cenário musical latino.

NOTA FINAL:

88

Faixas Favoritas: “Hoy te entierro”, “Tal Vez En Roma”, “Al Otro Lado De La Lluvia”, “Rompecorazones” “Dejarte de amar”.

O álbum ‘DM’ já está disponível em todas as plataformas digitais.

Comentários

Este artigo não possui comentários

”Mulher