Publicado em 22 de jul de 2019 por Jacqueline Cristina

No dia 20 de julho, o Teatro Fernando Torres recebeu o retorno as terras paulistas de “Gatão de Meia Idade, a peça”. Com os atores Oscar Magrini, Leona Cavalli, e o ator ventríloquo Yakko Sideratos, direção de Eduardo Figueiredo e dramaturgia de Miguel Paiva, a produção fica em cartaz todos os sábados e domingos até o dia 01 de Setembro de 2019.

A comédia teatral, que sai das tradicionais tirinhas do Jornal O Globo e Jornal do Brasil, o qual já foi publicada até na Itália, está em cartaz novamente, com inspiração no livro “Cama de gato, Histórias de Cama do Gatão de Meia Idade”, de autoria de Miguel Paiva.

Lançado pela Editora Globo, o livro retrata de maneira precisa e bem-humorada o quarentão urbano que sabe rir do seu próprio destino e da sua própria imagem. A obra já teve o lançamento de uma versão para os cinemas em 2006, com o ator Alexandre Borges como protagonista.

O personagem “Gatão”, criado em 1986 é interpretado na produção, pelo ator Oscar Magrini; que com excelente desempenho, representa um homem na faixa dos seus 50 anos, solteiro, com fios grisalhos, que aparenta nunca ter abandonado a adolescência, com seu jeito debochado de agir e falar. Há de se destacar que sua performance é tão cativante, que captura a atenção do espectador, que em meio ao divertimento, torce para o seu sucesso.

Já a atriz Leona Cavalli rouba o show, com a sua interpretação de oito hilariantes mulheres, que passam pela vida (e pela cama) do Gatão, desfilando desde da ciumenta possessiva, que chega a interagir com o público de maneira contagiante e cômica com os seus questionamentos sobre a lealdade de seu parceiro, até à maníaca por limpeza. Suas atuações prendem o público, o qual não deixa escapar nada relacionado a personalidade e comportamento das companheiras do Gatão, visto que até sua maneira de falar, agir e andar mudam de acordo com a cena.

Além do mais, as frenéticas e muito rápidas trocas de figurino e composição de Cavalli, são outro show a parte, uma vez que essas peças foram criadas pelo premiado visagista Anderson Bueno, o qual duram segundos de uma personagem à outra.

O elenco conta ainda com o ator ventríloquo, Yakko Sideratos, um dos melhores do país no gênero, que manipula o boneco que, na narrativa, é uma espécie de voz da “consciência” do “Gatão”. O personagem em vários momentos da peça, surge com ótimas sacadas de humor, que rende boas e espontâneas gargalhadas.

Com um texto leve, assinado por Miguel Paiva, “Gatão de Meia Idade, a peça” mostra detalhes, aflições e anseios da vida de um homem que apesar de usar o lema de viver a vida ao máximo, esconde um lado, de alguém que apenas procura uma companheira para estar ao seu lado. Logo, o espectador deve ir a peça com o pensamento de se divertir e dar boas risadas. E, claro, se você for um homem acima dos 50 anos, cuidado, pois você pode se identificar com muitas situações presentes na peça.

OFELM indica “Gatão de Meia Idade, a peça”, com texto de Miguel Paiva, direção de Eduardo Figueiredo, e conta no elenco com Oscar Magrini, Leona Cavalli e Yakko Sideratos. Nota: 3,5/5.

Comentários

Este artigo não possui comentários
”Mulher