Publicado em 04 de dez de 2019 por Mayara Armstrong

O Unlock CCXP19, evento de negócios para a indústria do entretenimento que antecede a CCXP19, teve início na terça-feira (03/12), com uma série de painéis sobre oportunidades de empreendedorismo no universo da cultura pop. Durante dois dias, players do mercado debateram importantes temas que contribuem para melhoria na produção cultural nacional com foco no público geek.

No painel Streaming: Modelos de Negócio, Patrícia Muratori, do YouTube Brasil, e Tereza Gonzalez, da Viacom, discutiram como as inovações tecnológicas mudaram a indústria do entretenimento e a forma de consumir conteúdos em vídeo com a chegada das plataformas digitais. Hoje, 67% dos brasileiros assistem a conteúdos em canais digitais, obrigando produtoras, canais e mídias tradicionais a se reinventarem para não perderem audiência. Os conteúdos de marca também foram citados pelas executivas, que acreditam que os criadores de conteúdo não se rendem à qualquer empresa, mas fazem, sim, parcerias com àquelas que geram identificação com conteúdo produzido e público recorrente.

Intitulado Brand Experiences CCXP19, o debate reuniu executivos de algumas marcas patrocinadoras do evento em 2019: Oi, Cinemark, Telecine, Hershey’s, Fanta e Trigg. Os convidados contaram suas experiências como apoiadores e a tarefa especial de conversar com a audiência exigente de um evento do porte da CCXP. Eles ainda destacaram o desafio de levar para dentro das empresas (algumas com mais de 100 anos de história) a cultura pop e a importância da renovação das estratégias de conexão com o jovem.

Houve, ainda, espaço para uma masterclass sobre a função de showrunner na produção audiovisual. Felipe Braga, da LB Entertainment e responsável pelas produções de “Latitudes”, “Samantha!” e “Sintonia”, falou da importância deste profissional que supervisiona a escrita e a produção de cada episódio de uma série, além de possuir decisões administrativas e criativas relacionadas ao projeto. Em seguida, David Diesendruck, da Redibra, Janara Lopes, da Ideafixa, e o quadrinista Gabriel Bá falaram sobre propriedade intelectual e licenciamento de produções. Para os especialistas, a tecnologia democratizou a distribuição de conteúdo, especialmente para os pequenos criadores.

O apresentador André Vasco foi mediador do painel O Futuro do Entretenimento, com Janaína Augustin, da O2, Ricardo Laganaro, da Árvore Experiências Imersivas, e o cronista Antônio Prata. Em um papo descontraído, os convidados avaliaram que o novo consumidor, pertencente à chamada Geração Z, já nasceu conectada e que a nova era do consumidor passa pela tecnologia. No entanto, eles lembram que as máquinas ainda não sabem contar boas histórias e que a criação ainda precisa da sensibilidade humana. A programação do primeiro dia de Unlock CCXP19 ainda teve espaço para mostrar o case do Hacktown, festival de experiências e conteúdo que há três anos acontece em Santa Rita do Sapucaí, Minas Gerais, provando que a novidade e o compartilhamento de boas ideias não precisam estar restrito aos grandes centros urbanos.

Comentários

Este artigo não possui comentários
”Mulher