Publicado em 18 de jun de 2019 por Mayara Armstrong

Neste ano, a Comic (Con) Floripa estava em sua 3º Edição, e foi realizada o Centrosul – Centro de Convenções de Florianópolis, localizado bem no início da ilha. O espaço é relativamente grande, conta com 16mil metros quadrados, divididos em dois pavimentos. A feira aconteceu no segundo andar, no salão de exposições, com carga recreativa para, aproximadamente, 13 mil pessoas. A arena externa também era ampla, contava com em média 1200 vagas para veículos. Porém a diária era quase o valor do ingresso para o evento, podendo ser um empecilho para o acesso do mesmo.

Na cidade, havia pouca divulgação do evento. Vimos um ou dois outdoors ao longo do caminho – aproximadamente 1h30 da capital. Nossa visita em Florianópolis foi rápida e bem pontual, fomos para participar do maior evento Geek de Santa Catarina, a Comic (Con) Floripa. Como o próprio nome já diz, o evento simula – em uma escala muito reduzida -, uma Comic Con, focada, principalmente, onde tudo começou: nos quadrinhos – comic.

Ao chegar no evento, era possível ver uma vasta fila para retirada do ingresso. Nós nos dirigimos pela entrada de imprensa e logo entramos no pavilhão. Nos deparamos com diversos stands dos Artistas’Alley, onde estavam apresentando suas criações. Havia muito conteúdo de filmes e séries, com personagens clássicos, quanto Vingadores ou grandes ícones femininas das telonas e telinhas,misturados a grandes obras autorais dos artistas presentes. As temáticas variaram muito: vikings, animes, ‘dark’, cosplayrs, zumbis, heróis e sagas. E, principalmente, temas voltados a representatividade, seja de mulheres, negros ou LGBTI’s no meio nerd. Muitos temas pesados foram levantados relacionado às temáticas dentro das produções autores dos artistas, relacionado principalmente a violência sofrida pelas minorias e a falta de visibilidade dos casos.

As palestras e mesas redondas também reforçavam os temas citados. Mas, apesar da diversidade de temas, todos voltavam para os mesmos assuntos – e, em alguns deles, repetiam muitos palestrantes, muito provavelmente por esse motivo havia o ‘dejavi – frequente – de conteúdo. Em relação a alimentação, também sentimos escassez. Haviam poucos locais para comer, por exemplo. Apenas um local dentro do centro eventos, e um food truck fora do estabelecimento. Durante a feira, haviam três locais de expositores com lojas voltadas a produtos alimentícios coreanos e japoneses, porém as três vendiam os mesmos alimentos – e, ainda, com uma diferença impressionante de preços, aproximadamente 300%.

Para bom garimpador, muitos produtos saiam em conta. Mas, ainda assim, como em todo local, haviam aqueles que inflaram seus produtos, repetindo os mesmos erros das lojas alimentícias. Em relação a inovação, havia produtos criados a partir de impressoras 3D retocados com massa corrida ou biscuit artesanal, também haviam produtos de nichos mais específicos partindo do mesmo viés – criações autorais e artesanais. Aulas de artes marciais também foi um diferencial da CC Floripa em relação a outros eventos similares.

No geral, com o que mais impressionou em nosso ponto de vista – claro, uma potterhead de carteirinha – foi a ‘ala’ de Harry Potter. Totalmente simplória – e bem caseira -, o evento contava com alguns eastereggs para os fãs da saga, desde ‘réplicas’ de cenários de filmes – Sala da Dolores Umbridge; Sala de aula de Poções; Sala de aula de Adivinhação – à referências aos filmes, como: quando Sirius Black fugiu de Azkaban; a primeira vez que Harry entrou no Beco Diagonal; entrada para o Ministério da Magia; ou, até mesmo o anuncio de quando a Câmara Secreta foi aberta. Para bom, estava bem bacana. O segundo dia, contava ainda com um Chapéu Seletor para o público tirar foto usando-o. Mesmo, muito provavelmente sendo uma iniciativa da própria loja e não do evento em si, demonstrou que não há necessidade dispor de alto orçamento para despertar nostalgias nos fãs e criar diferenciais competitivos para sua empresa. Além de tudo isso, houve diferencial, também, no atendimento: o atendente, estava fazendo quiz dentro da loja e distribuindo brindes para as crianças e adolescentes, tratando-os muito bem.

Aproveitamos para comprar diversos itens do mundo geek. Como estou em busca de decoração para casa, foquei mais nesses itens. Adquiri posters para enquadrar, livros autografados exclusivos, além de adesivos, bottons, presentes para amigos, e, claro, itens de Harry Potter. Muito produto acabou rápido, assim, nossas primeiras horas de evento foram exclusivas para compras. Por sorte, encontramos muita coisa em conta – como uma toalha de banho personalizada do Mapa do Maroto, e, pasmem, era a última, em menos de três horas de evento. Ou as empresas não estavam preparadas para um evento desse porte, ou o público foi com um potencial de compra alto.

O evento é para quem gosta de debates, quadrinhos, decorar a casa ao estilo geek, ter tudo personalizado, enquadrar posters, achar um colecionável exclusivo e muito mais! Apesar da pouca interatividade, e carência nas atrações, a Comic (Con) Floripa é uma iniciativa única, incrível e necessária para qualquer geek – e quase que obrigatório para os catarinenses – que queira sentir um gostinho de como é participar de uma Comic Con – ou até mesmo se preparar para um evento do gênero de grande porte.

Comentários

Este artigo não possui comentários
”Mulher